quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Goose House - Sinceridade e alegria no J-pop

Uma divertida turma de amigos que, por acaso, faz um pop de altíssima qualidade.
O grupo Goose house faz um som descontraído e de alto astral.
Nota: O nome pode ser escrito de várias maneiras. Ao que
parece, não oficializaram nenhuma. 
Goosehouse (グース ハウス) é uma banda de J-Pop diferenciada entre tantas outras, com um som vibrante e rico em melodias e harmonias. Indo além, é formado por talentos individuais que fazem composição e arranjo de forma coletiva, sem destacar nenhum integrante específico. O conjunto foi formado em 2010, a partir de um projeto da Sony Walkman chamado "Play You", que incentivava que pessoas com interesses musicais se reunissem pela internet. Deu tão certo que logo um grupo de entusiastas foi se formando com a ideia de trocar experiências e tocar juntos. 

Depois de se conhecerem pelo Twitter (a rede social mais popular do Japão), eles se reuniram em uma sharehouse (casa compartilhada), onde puderam se conhecer pessoalmente, descobrir afinidades e tocar por diversão. O objetivo inicial do projeto era fazer transmissões on-line regulares na plataforma USTREAM, com amigos reunidos pelo amor à música, tocando suas músicas favoritas. Como todos também eram compositores e alguns já estavam se profissionalizando, junto com as covers foram ensaiadas as primeiras criações próprias. Com o sucesso, a ideia logo foi evoluindo e ganhando vida própria. Surgia então o grupo PlayYou.House


Capa de Heptagon, o mais recente álbum de estúdio.
Pouco depois, o hepteto virou um sexteto, quando
Migiwa (sentada à esquerda) deixou o grupo.
Foi com esse nome que a banda fez seu primeiro show aberto ao público, no final de 2010, interpretando canções famosas e já mostrando uma criação autoral, chamada "Sing". No ano seguinte, assumiram o nome Goose House (ou "Goose house", ou ainda "Goosehouse"), tornando-se então uma banda independente, que lançava seus CDs por conta própria. 

E assim, começaram a montar seu próprio repertório e foram trilhando seu caminho no exigente mercado profissional japonês. Já lançaram seis singles, dois mini-álbuns e seis álbuns cheios, além de três singles digitais e compilações de trabalhos solo de seus integrantes. Mas eles não ficaram muito tempo no cenário alternativo. 

No Japão, é muito comum que existam bandas montadas em escritórios de gravadoras, com uma estrutura altamente profissional, cheia de pesadas cobranças sobre a vida pessoal e com pouco controle criativo. E não somente grupos tipo boys band ou girls band que são formatados e pré-fabricados assim. Muitas bandas de instrumentistas também são criadas desse modo, sendo que poucas acabam conquistando liberdade criativa. 
Johnny Saito: Um dos membros fundadores do grupo.
Já bandas com uma identidade forte geralmente são aquelas formadas por afinidades entre os integrantes e é assim desde sempre, em qualquer parte do mundo. O Goose house nasceu a partir de um projeto de incentivo musical de uma grande empresa, mas foram além e optaram por um início de carreira modesto, onde puderam trabalhar bem sua sonoridade. O resultado dessa feliz combinação de talentos é que o grupo acabou ficando tão unido que sempre assina em conjunto letra, melodia e arranjo de suas canções, o que é raro na indústria musical. 

Somente em 2013, já com sua identidade musical bem estabelecida, assinaram contrato com o selo gr8! records, uma divisão da poderosa Sony Music. A Sony poderia ter oferecido um contrato a eles logo na época do projeto Play You, mas aparentemente deixaram eles soltos até se sentirem preparados. E o resultado compensou para todos, pois a gravadora trouxe a eles a chance de trabalhar com músicas para animês. 

Sua canção "Hikaru Nara" ("Se você brilhar") foi tema de abertura da versão em animê do mangá Your Lie in April em 2014. Foi o primeiro grande sucesso da banda, chegando ao 11º lugar da parada de sucessos semanal medida pela empresa Oricon. A faixa foi incluída no álbum Milk (de 2015), que também tem outra anime song. É a canção "Oto no naru hou e", ("Na direção do som do eco") da segunda temporada da série Gin no Saji ~ Silver Spoon, baseado em mangá homônimo de Hiromu Arakawa, autora de Fullmetal Alchemist. Chegou à posição 14 da Oricon, um excelente feito para qualquer artista. 

Hikaru Nara (2014)
Letra, música e arranjo: Goose House





Eles não se tornaram ainda um grupo do seleto mainstream japonês, mas estão sempre lançando algo novo, sempre fazendo shows e se mantêm em atividade com muito pique e energia. Sua base de fãs aumenta com o tempo, inclusive em outros países, e esse reconhecimento é mais do que merecido. 

Atualmente, o Goose house é formado por: Shuhei Kudo (violão, guitarra e vocais), Kei Takebuchi (vocais), Manami (violão e vocais), Sayaka (teclados e vocais), Shuhei Watanabe (baixo, violão, vocais) e Johnny Saito (baixo, violão, banjo, vocais). Até pouco tempo atrás, havia ainda a baterista, violonista e vocalista Migiwa Takezawa, que deixou o grupo após a turnê 2017 do grupo, que se seguiu ao lançamento do álbum Heptagon. Ainda não oficializaram outra pessoa para o posto de Migiwa, pois Kei também é baterista (além de pianista). Mas é possível que façam como muitos grupos japoneses, que usam bateristas convidados, tanto para shows como gravações. 


Da esq. p/ dir.: Shuhei Kudo, Johnny Saito, Sayaka, Kei,
Migiwa, Shuhei Watanabe e Manami.
Outros integrantes que passaram com destaque pelo Gh foram d-iZe (Daize), Rioka Kanda e Masahide Kimura. O próprio membro fundador Johnny Saito já saiu da banda por um tempo, lançou trabalhos solo e depois voltou, sem problemas. A maioria dos integrantes, inclusive, possui projetos musicais paralelos, seja como artista solo ou membro de outros grupos. 

O Goose house já teve oito integrantes, depois sete e atualmente parece ter se fixado com seis. Com tantas mudanças, começaram a fazer audições para novos membros, sempre que necessário. 

Mesmo com várias alterações na formação em sua curta trajetória, cada um que entra consegue se sintonizar com o estilo do grupo e nenhuma saída foi traumática para o som que fazem. Com tantos integrantes e ideias fervilhando, eles se dividem e se combinam em duplas e trios para shows em espaços menores do que os palcos para a banda. Com cada um podendo desenvolver seu projetos pessoais e ainda mantendo a atitude de uma banda independente mesmo sob contrato de uma grande gravadora, eles conseguem se manter arejados e motivados. 

Kei Takebuchi: Excelente e versátil cantora, divide os
vocais com todos os outros integrantes.
O Goose house tem como marcas seus vocais harmoniosos, o revezamento de vocalistas, as melodias alegres e uma atitude extremamente simpática e desencanada. Tudo contribui para fazer deles um grupo diferenciado. 

Os melhores vídeos de seu canal oficial no YouTube são aqueles em que estão reunidos cantando de modo bem descontraído, mas nunca desleixado. 

A combinação de talento, sensibilidade e alto astral faz qualquer um sentir vontade de estar ali no meio só pra constatar que, mesmo num meio tão controlado como é a indústria musical japonesa, existe espaço pra gente talentosa fazer um pop honesto e de qualidade. 

Site oficial: goosehouse.jp 

No site oficial, na seção Discography, é possível comprar suas canções em arquivos digitais. De forma simpática e indo na contramão de muitos figurões da indústria musical japonesa, é possível também comprar as músicas do Goose house estando fora do Japão. 

Canal oficial no YouTube: youtube.com/user/playyouhousejp


House mate ~ Fan site: housemate.tumblr.com 


::: E X T R A S :::

Sing (versão 2014)




Oto no Naru Hou e (2015)




Rain (2017)
- Cover da banda Sekai no Owari



- Vídeo promocional do álbum HEPTAGON (2017)




:::::::::::::::::::::::::::::::::::

Campanha Sushi POP no Apoia.se

Você gosta do conteúdo deste blog? Pois você pode apoiar a produção e continuidade do Sushi POP colaborando com a campanha do Apoia.se. 

A partir de R$ 5,00 mensais você contribui com a pesquisa e difusão da cultura pop japonesa e ainda ganha um desenho exclusivo. 


6 comentários:

Usys 222 disse...

Aqui eu vejo três tendências positivas:

Uma é a emergência de novos talentos da camada popular, que cria seu conteúdo de forma livre, sem interferências de grandes produtoras.

Outra é a utilização de redes sociais para a criação desse conteúdo, algo que eu via bastante em Vocaloid e MMD, mas desta vez fazendo algo profissional, visando algo mais sério.

E mais uma é a divulgação por novos meios, como o YouTube e, mais uma vez, de forma livre, sem criar barreiras internacionais.

O Sing me pareceu uma espécie de mensagem do grupo, mostrando suas intenções de propagar sua música. Que o som deles "ainda é imperfeito, pequeno, frágil", mas que querendo que sua canção "ressoe até o céu". Que "a minha voz e a sua voz se unam". O clima é bem acolhedor, como um grupo de amigos, só que, como bem observado, sem desleixo.

Mais um grupo de talento e potencial descoberto pelo Sushi POP! E dá para gastar bastante tempo no canal deles no YouTube. Além de originais, tem um monte de covers. Tem até o Won't Be Long dos Bubblegum Brothers, algo que não imaginava ver de novo.

Alexandre Nagado disse...

Fala, Mr. Usys!

É bem isso o que você notou. São tendências muito positivas. Descobri o Goose house quando escrevi sobre o Your Lie in April. Depois, quando quis saber mais sobre eles, fui vendo que é uma história incomum.

É normal gravadoras realizarem audições para selecionar novos talentos e montar bandas. Mas esse projeto da Sony foi diferente. Eles incentivaram a reunião por afinidades, a alegria de tocar e cantar juntos. E não ficaram em cima dos músicos, deixaram eles resolver seu próprio destino e foram três anos como banda independente, tocando em lugares pequenos e pegando experiência.

Não sei se havia algum pré-contrato ou algo assim, mas o fato é que, quando eles passaram para uma gravadora, conseguiram colocar dois temas em séries de animê, seguidamente. Conforme eu ia acessando as informações, fui juntando as partes na minha mente e foi ficando claro que a história deles pode ter sido um experimento que deu certo.

Talvez uma parte da indústria esteja vendo que não adianta tratar seus artistas como funcionários de uma estrutura feita pra gerar lucro. Primeiro, tem que deixar eles se encontrarem, sentirem prazer com a música. Agora eles estão com uma grande gravadora, mas mantendo o mesmo espírito livre e alegre. A música "Hikaru nara" já uma das minhas favoritas.

Que surjam mais projetos assim. A música agradece.

Valeu! Abraço!

Bruno Seidel disse...

"Otimismo" e "esperança" foram as principais sensações que eu tive ao assistir aos clipes do grupo e ouvir suas músicas alegres e agitadas. Ainda devo dizer que o talento vocal dos músicos é impressionante e digno de vibrantes elogios. Queria que eles tivessem mais participações em temas de anime e tokusatsu. Acho que encaixaria bem.

Mais uma baita indicação que só os leitores aqui do blog têm acesso, ein!

Abraços!

Alexandre Nagado disse...

Fala, Bruno!

O som do Goosehouse já era conhecido por uma parte do fandom de animê. Porém, creio que o pessoal não se interessou ou não pesquisou sobre a banda. A história deles é sensacional, pois foi resultado de uma mentalidade empresarial diferente do que estou acostumado a ver no cenário J-pop. Ao invés de pressão e cobranças por sucesso, foram tratados como criadores e deixados em paz. Que a mensagem deles se espalhe e gere mais projetos similares.

E obrigado por reconhecer o trabalho feito neste blog. Deixando a modéstia de lado, em termos de música pop japonesa e afins, o Sushi POP tem grande relevância, sem similares na blogosfera brasileira.

Valeu! Abraço!

Thiago Patricio disse...

Parabéns pelo Texto faz tempo que eu estava procurando informações sobre essa banda,bom saber que mesmo com a saída da Migiwa eles vão continuar tocando,mas uma vez parabéns pelo texto,Abraço

Alexandre Nagado disse...

Fala, Thiago!

Que bom que gostou, valeu a força! Sempre procuro dar informações sobre música japonesa por aqui. Se tiver interesse, dê uma conferida nos posts sobre Gesuotome, Wagakki Band, chay, Katokutai, The Alfee e outros.

Valeu! Abraço!