RECADO AOS VISITANTES:

Olá! O blog está de férias, mas já estou trabalhando em novas postagens. O Sushi POP voltará a ser atualizado no dia 1 de agosto (terça), no período da tarde.

O que vem por aí:
- Ultraman Geed, Novo Lobo Solitário, resultado da convocação para trabalhos acadêmicos e mais!

Esteja aqui para conferir. Até breve!

sexta-feira, 28 de abril de 2017

Ultraman Geed - Primeiras informações

Confira o teaser trailer e as primeiras informações sobre o mais novo herói do Universo Ultra.
Ultraman Geed: Um herói com
uma herança maligna.
Geed Primitive 
Depois de muita espera, a Tsuburaya Pro está soltando várias informações sobre sua próxima série de TV, Ultraman GeedO novo herói, a estrear em julho, é filho de Ultraman Belial, um dos maiores vilões do Multiverso UltraMas primeiro, vamos esclarecer alguns pontos sobre o nome do protagonista da nova série.

A escrita japonesa de seu nome é ウルトラマンジード, que se lê "Urutoraman Jiido", ou, adaptando à leitura ocidental, "Ultraman Jeed". Porém, a romanização oficial ficou sendo Ultraman Geed. Inicialmente, havia vazado que seria "Ultraman Xead", e assim essa escrita se espalhou rapidamente pelo fandom


Mas, com a divulgação dos primeiros catálogos de brinquedos da série, ficou claro que a forma de escrita ocidentalizada havia mudado. Resumindo: a escrita é "Geed", mas deve-se ler "Jiid", o que poderá confundir muita gente.

Teaser trailer:


Assim como o antecessor Ultraman Orb, Geed terá várias formas, combinando visuais e poderes de diversos Ultras. Diferente de Orb, ao invés de cards, Geed usará itens chamados de Cápsulas Ultra

A forma básica de Geed é chamada Primitive, formada pela combinação de poderes de Ultraman Belial com o primeiro Ultraman. Das outras formas, derivadas da fusão de poderes de Ultras, já foram anunciadas a Solid Burning (fusão de Ultra Seven e Ultraman Leo), Acrosmasher (Cosmos e Hikari) e Magnificent (Ultra Father e Zero). Obviamente, outras ainda irão aparecer. Dentre as ameaças que ele irá enfrentar, teremos combinações de monstros também, como o Skull Gomora, que é a fusão de Red King Gomora, ou o Thunder Killer, formado por Eleking e Ace Killer.


Da esquerda p/ direita: Ultraman Geed Primitive,
Solid Burning, Acrosmasher e Magnificent.
Geed terá como identidade humana Riku Asakura, que será interpretado pelo jovem astro Tatsuomi Hamada, de apenas 16 anos. Esse garoto já é um veterano do tokusatsu com um currículo invejável.


Em 2012, ele interpretou a versão criança do herói Captain Marvelous, no filme Gokaiger vs Gavan. Depois, interpretou o menino Nao, irmão do protagonista Ran o hospedeiro de Ultraman Zero no filme solo do herói, também de 2012. Nesse filme, ele assume o controle do robô gigante Jean-Bot, tornando-se um guerreiro espacial. Em 2013, ele interpretou Jinpei, o mais jovem  membro do esquadrão Gatchaman na versão live-action do famoso animê da Tatsunoko Pro

Ele é o mais jovem ator a interpretar um herói Ultra, quebrando o recorde de Takuya Negishi, que estrelou Ultraman Ginga aos 17 anos. Hamada tem uma enorme responsabilidade pela frente. A julgar pelo que tem mostrado, tem todas as chances de fazer um bom trabalho e se eternizar na franquia Ultra. 
Tatsuomi Hamada como Riku Asakura
empunhando o Geed Riser, seu
aparelho de transformação.
Geed tem uma herança maligna vinda de seu pai, mas não é o primeiro Ultra com origem ligada ao mal. Em Ultraman Tiga: The Final Odyssey, é revelado que Tiga já fora o Tiga Dark, um gigante das trevas. Porém, isso foi acrescentado à biografia do personagem quatro anos depois que a série foi lançada, sendo uma criação retroativa. 

Com Geed será diferente, pois seu pai é um dos mais impressionantes vilões já apresentados no Universo Ultra. Belial surgiu em 2009 no filme Mega Batalha na Galáxia Ultra e, desde então, tem feito várias aparições na franquia. Sobre essa herança diabólica à espreita, além do rosto de Belial no cartaz, há a frase "Unmei - Kakugo o kimerô" (運命 – 覚悟を決めろ), que pode ser traduzida como "Destino - Prepare-se!". 

O herói Ultraman Zero, filho de Ultra Seven e arqui-inimigo de Belial, será personagem recorrente da série. Inclusive, ele também terá uma nova forma, a Ultraman Zero Beyond, além de novos acessórios no decorrer dos episódios. 

Não foi divulgado nada sobre o enredo, mas a franquia Ultra lida com o conceito de multiverso, com várias Terras existindo em dimensões paralelas. Ao que parece, a história vai se passar no universo tradicional, o dos heróis do Planeta Ultra, na Nebulosa M-78. Mas deve-se lembrar que alguns heróis de M-78 tiveram suas séries ambientadas em mundos paralelos, como Ultraman Great, Powered, Neos e Max, por exemplo. Isso deve ficar claro no início da série, caso não saiam informações antecipando esse dado.

O diretor principal será Koichi Sakamoto, simplesmente o mais atuante diretor de filmes e séries tokusatsu da atualidade e que dirigiu a origem de Belial. Já o planejamento (composição) da série ficou a cargo do renomado escritor Otsuichi, um estreante em tokusatsu.

O nome dele é conhecido no Japão como escritor de contos e romances de fantasia e terror, como Goth, que virou mangá e filme live-action. É dele também o conto que deu origem ao mangá Só Você Pode Ouvir, lançado aqui pela editora JBC

A presença de Otsuichi certamente está atraindo muito interesse, por ser um autor renomado vindo de fora desse universo de entretenimento, o que pode significar um monte de novas ideias. E a parceria com o diretor Sakamoto garante que não vai faltar ação nessa nova produção.
Geed e as Cápsulas Ultra.
Ao fundo, Belial, Skull Gomora e Zero.
Ainda falta muita informação sobre a série e seu enredo, mas é bem interessante a premissa de um herói que é filho de um grande inimigo dos Ultras. Vai ser difícil repetir o êxito que foi Ultraman Orb, mas estão tentando apresentar novidades conceituais, o que é louvável. 

Um vídeo especial de apresentação será lançado pela Tsuburaya no dia 1 de julho. E finalmente, Ultraman Geed irá estrear no Japão pela TV Tokyo no dia 8 de julho (sábado), com exibições semanais às 9 da manhã. No Brasil, se o portal Crunchyroll seguir o padrão adotado nas exibições de Ultraman Orb, devemos ter um novo episódio da série toda sexta feira de noite, a partir de 7 de julho, assim como aconteceu com Orb. Lembrando que a diferença de data é decorrente do fuso horário, pois o Japão está 12 horas à frente. Por isso, se for confirmada a exibição via streaming simulcast, a estreia no Brasil será oficialmente um dia antes do Japão

- E então, quais suas expectativas para Ultraman Geed? Escreva em nossa área de comentários e vamos trocar umas ideias.

21 comentários:

César Filho disse...

Se Ultraman Orb foi carismático, Ultraman Geed deve guardar um lado sombrio. É o que eu posso esperar, já que ele é filho do Ultraman Belial. É uma forma de lincar com o aniversário de 50 anos de Ultra Seven. Fiquei curioso pra ver como será a atuação do Tatsuomi Hamada. Ele me passou boa impressão no filme do Ultraman Zero. Ainda não acompanhei o trabalho de Otsuichi. Já o Sakamoto, dispensa-se apresentações. Sua competência diz tudo. Estou ansioso e na esperança de ver o Geed na Crunchyroll. Certamente o canal vai fazer suspense até o dia 7 de julho.

Alexandre Nagado disse...

Fala, César!

Achei muito legal essa ideia do Geed ser filho do Belial. Dá um passado sombrio, uma tendência ao "lado negro" que deve assombrar o herói. Eu imagino que, nas lutas, ele possa perder o controle, mais ou menos como a forma Thunder Breaster do Orb, que combinava Zoffy e Belial. O lado negro representado por Belial era forte demais.

A escolha de Otsuichi é realmente curiosa. Ele nunca trabalhou nem com tokusatsu e nem com super-heróis. Fico pensando como chegaram nele para a tarefa de planejar a série. E o ator tem enorme potencial. Gostei muito do trabalho dele no longa do Zero e ele realmente foi um astro mirim diferenciado. Agora ele pode dar o grande passo na carreira, pois tem-se a impressão de que não faltarão conflitos e dilemas para o personagem enfrentar.

Até a estreia, com certeza farei mais um post como esse, reunindo informações. Até lá saberemos sobre outros atores, música tema e aqueles detalhes que tanto gostamos de saber. E estou torcendo para que Mamoru Miyano faça a forma humana de Zero, não apenas a voz.

Este ano está sendo fantástico para o tokusatsu e é ótimo poder acompanhar isso e compartilhar aqui no blog.

Valeu pela participação!
Abraço!

Ricardo disse...

Por um lado fico feliz ao ver que a Tsuburaya parece ter achado um nicho certo. Após Ultraman Ginga (que foi provavelmente a série mais modesta em termos de produção da franquia) as séries posteriores (Ginga S, X e Orb) foram paulatinamente ganhando mais recursos, episódios e, aparentemente, popularidade. Espero que Geed mantenha essa reta ascendente.

Mas não posso deixar de lamentar em parte que a produtora pareça ter estacionado em uma zona de conforto, mostrando protagonistas com formas baseadas em outros Ultras e a constante aparição de monstros clássicos.

Claro que sei que a questão comercial foi, é e sempre será fundamental para esse tipo de série, mas sinto falta de produções mais ousadas como Ultraman Nexus (uma das melhores séries de tokusatsu de todos os tempos), que não se limitava apenas a revisitar o passado. Lamento muito que o Ultra N Project tenha falhado.

De qualquer forma, seja bem-vindo, Geed!

Usys 222 disse...

Ainda estou na fase de adaptação da leitura do nome do herói e acabo lendo como em "geek". Mas é só uma questão de tempo ao ouvir de fato durante o seriado.

Uma dúvida que tenho é quando o Geed nasceu, se foi antes ou depois da corrupção de Belial pelo Alien Rayblood. Se foi antes, ele teve que carregar o estigma de ser o filho de um traidor. Mas se foi depois, pode ter mesmo essa tentação a cair no lado das trevas. Qualquer que seja, pode dar uma boa história. Li a a matéria sobre Só Você Pode Ouvir e creio que Otsuichi pode ser uma boa escolha pois a história é muito bonita.

Pelo que percebi, existe uma tendência atualmente a chamar roteiristas que nunca trabalharam com tokusatsu. Outro exemplo é o Yuuya Takahashi, que trabalha em Kamen Rider Ex-Aid e tem ido bem. Achei bem positivo para poder botar sangue novo nas franquias. Yuji Kobayashi também tem se reinventado ao fazer roteiros para séries que não são de heróis. Pena que ele não vai participar desta vez.

Uma curiosidade é que Belial havia revelado em um programa humorístico que tinha mulher e um filho. Foi de brincadeira, claro, mas pelo visto resolveram aproveitar essa ideia. Aqui, foi aos 32 minutos: https://www.youtube.com/watch?v=0KhaK5E5gt4
Foi para escolher os monstros que iriam participar de Mega Batalha na Galáxia Ultra. Participaram Koichi Sakamoto, Taiyo Sugiura e Takeshi Tsuruno. O final... Ah, só vendo!

Alexandre Nagado disse...

Fala, Ricardo!

Eu sou daqueles que não gosta ou não liga muito para formas variantes. Acho que acabam exagerando, e acho que poderiam se libertar um pouco dessa de usar poderes de outros personagens. Em Orb funcionou bem, em Ginga era meio desnecessário. Vamos ver no Geed.

Mas, verdade seja dita, tanto X quanto Orb saíram ótimas séries. Inovando muito ou pouco, eles têm acertado a mão com elencos e equipes criativas. Nesta eu aposto bastante. O Sakamoto é velho conhecido, e o Otsuichi pode surpreender muita gente. Criatividade e sensibilidade ele já provou que tem.

Abraço!

Alexandre Nagado disse...

Fala Mr. Usys!

Interessante essa questão. O meu palpite é que ele tenha sido concebido depois da queda de Belial, por causa dos olhos. Ou ele poderia ter sido corrompido depois. Espero que expliquem isso, sem ignorar a origem de Belial.

E eu vi o vídeo que indicou. Cara, aquilo é muito épico, ah ah! A coreografia dos monstros ficou sensacional. E se lembrarmos que eram do Cemitério dos Monstros, tem tudo a ver com a música Thriller e seu clipe clássico. Muito bom, ah ah ah! 😂😂😂

Aniki disse...

Fala, Nagado.

Também estou com boas expectativas com o Geed(acho que vou acabar pronunciando mais 'guid' ao invés de 'jeed', mas aí é questão de acostumar com o tempo). Pelo visto a tendência da combinação de poderes foi uma jogada comercial que acabou dando certo, pois acaba mantendo uma certa relação com os personagens do passado.

Eu confesso que desconheço esse roteirista, mas com direção do Sakamoto e o plot apresentado até então acredito que a história possa satisfazer novos e velhos fãs, só podemos aguardar até a estréia. Aliás, colocar outros profissionais que não tinham experiência em histórias de super-heróis parece ter dado certo. Vide Riku Sanjo(escreveu Kamen Rider W) e Gen Urobuchi(Kamen Rider Gaim). São os números de audiência e vendas que determinarão a continuidade dessa tendência.

Abraços.

job marques dasilva disse...

E sobre o trailer de ultramen que esta no you tube ate hj nao obtive maiores informações.

Alexandre Nagado disse...

Fala, Aniki.

Eu acharia mais legal se a leitura fosse "Ziid", que ainda estaria dentro do que a escrita em katakaná permite, mas tudo bem. Acho que com a série em exibição, a gente se acostuma. Se a música for legal, vai facilitar.

A única coisa do Otsuichi que eu li foi o mangá Só Você Pode Ouvir, mas no caso foi um conto dele que deu origem ao mangá. Mas ele tem ideias inusitadas e muita sensibilidade. A aposta pode ser promissora. E se partiu dele a ideia de fazer uma série com o filho de Belial, ponto pra ele.

Tendo mais novidades, posto aqui.

Abraço!

Alexandre Nagado disse...

Olá, Job Marques!

Ahn, de que trailer está falando? Se for um que mostra o primeiro Ultraman com uma forma bem orgânica enfrentando um monstro, aquilo foi feito por fãs, ou melhor, por profissionais altamente capacitados que fizeram um "fan movie" na forma de um falso trailer. Até onde sei, aquilo não foi oficializado e a Tsuburaya não comprou a ideia, apesar de ter ajudado a divulgar.

Abraço!

Haunter*** disse...

Essas últimas séries ultras como o ginga, X e Orb estão melhorando ainda mais o nome dos Ultras e o que esperar de uma nova série são só coisas boas. Na contra-mão disso as séries dos Kamen riders seguem ladeira abaixo: ghost, drive, ex-aid, essa última claramente para o público infantil, a história no início até boa se perdeu agora na segunda metade.

Alexandre Nagado disse...

Olá, Haunter***!

Sobre os Ultras, só posso concordar. Já sobre Kamen Riders, não tenho acompanhado, mas acho que você poderia daR uma chance. Pelo que leio dos comentários e reviews do meu amigo Usys222 (Casa do Boneco Mecânico), os Riders têm mantido diversos elementos clássicos. As histórias modernas, mesmo que mirando as crianças, têm muitas mensagens e elementos mais complexos, na melhor tradição dos originais.

O que tenho visto (não sei se é o seu caso) é uma certa impaciência decorrente do desagrado causado pelos visuais muito espalhafatosos. Eu não tenho visto porque não tenho mais um interesse tão grande por super-heróis como eu tinha antigamente, mas tem coisa bacana saindo. Inclusive com esse Ex-Aid. Bom, de qualquer forma, cada um tem seu gosto.

Obrigado pela participação e apareça mais vezes. A seção de comentários aqui sempre tem boas participações. Abraço!!

Haunter*** disse...

Sim têm bastante coisas boas mais os visuais exagerados e o número excessivo de formas e poluição visual que vc vê nessas séries são muitos o que aconteceu com o bom e velho Henshin? Agora são frases de duas linhas como em Gaim: "o caminho para o palco" ou ghost que fica: "Kakugo go go go ghost". É só uma opinião de quem adora essas séries do Riders. Aproveitando o espaço poderia pintar uma matéria do Naruto ai falando o que pessoal achou da transição do Naruto para o Boruto? E vc ainda têm suas revistinhas herói, cara aquilo foi o melhor, abraço!

Alexandre Nagado disse...

Oi, Haunter***.

Então, eu tenho bem poucas edições da Herói. Sou muito desapegado, e às vezes alguém me lembra de alguma coisa que eu fiz que eu tenho que ficar puxando de memória, pois não tenho onde consultar. Meu acervo nem pode ser chamado de acervo, pois tem pouca coisa mesmo, umas 10 ou 12 revistas só. Com a idade avançando, dá uma vontade de ter guardado mais, ah ah.

Mas voltando ao tokusatsu. Por conta de exageros visuais, acabei me afastando de muita coisa mesmo, mas reconheço que tem muita coisa legal. O que eu mais tive antipatia até hoje foi o Kamen Rider Gaim. Quando eu vi o design criativo e as transformações com as frutas, pensei: "Isso é MUITO criativo." E disseram que a história do Gen Urobuchi faz jus à obra do cara, sombria e cheia de reviravoltas. Então, uma hora eu paro pra ver.

A única franquia que eu nunca parei de acompanhar é realmente a dos Ultras. E posso garantir que eles sempre vão aparecer por aqui. Não só porque eu gosto, mas porque é impossível falar de cultura pop japonesa e ignorar a presença de Ultraman.

Valeu! Abraço!

Alexandre Nagado disse...

Haunter***, faltou eu responder sua sugestão sobre o Naruto.

Eu não acompanhei Naruto (nem o mangá nem o animê), então, não tenho o que dizer sobre Boruto. Li o volume um do mangá, mas não me cativou. Prefiro muito mais "slice of life" do que "battle shonen" e por isso muitos sucessos acabam ficando de fora do Sushi POP. Procuro compensar sendo uma referência na área de música japonesa.

Abraço!

job marques dasilva disse...

Muito obrigado. Nagado,me referi a este mesmo ! Que belíssimo trabalho , foi feito

Alexandre Nagado disse...

Então, Job, infelizmente parece que ficou só naquele vídeo mesmo. Eu, particularmente, gostaria muito de ver um longa dos Ultras em CG. Quem sabe eles não pegam essa ideia pra alguma coisa no futuro?

Valeu! Abraço!

job marques dasilva disse...

Vejo uma oportunidade de um novo momento na tv aberta pro genero.Todas as vezes em que se exibiram coisas. Novas a resposta da grande massa foi espetacular movimentando o mercado de revistas e brinquedos entre outros , ha espaço na programação das TVs abertas sobretudo nas três grandes redes .No meu entender a primeira que ousar e durar o esquemao de novelas e programas de variedades. ,atualmente no ar corre o risco de dobrar a audiência e faturamento a medio prazo ! Vcs concordam com este pensamento?

Alexandre Nagado disse...

Fala, Job Marques!

Ultras em TV aberta? Claro que eu gostaria, mas a praticidade do streaming, que permite assistir no horário que for mais conveniente, parece ter chegado para ficar. Não só Ultras, mas falando de qualquer tokusatsu, acho praticamente impossível que algum canal aberto - especialmente nas grandes redes - dê espaço a esse tipo de programa. Ainda mais em horário nobre. A experiência que houve com a febre de tokusatsu no final dos anos 1980, começo dos 90, não vai se repetir.

É o sonho de qualquer fã que uma Record ou SBT enfrente novelas da Globo com algum tokusatsu, ou mesmo animê. Isso é sonho, não vai acontecer, pois é absurdo demais. Isso que gostamos são programas de nicho, e TVs buscam o grande público. E muitos fãs preferem ver pela internet, pela rapidez com que os títulos chegam e pela praticidade já citada. Simples assim.

Valeu! Abraço!

Bruno Seidel disse...

Cheguei atrasado, mas percebo que rolou uma discussão de altíssimo nível por aqui. Vamos às minhas primeiras impressões:
em meio a tantos elementos repetitivos, como o uso de poderes evocados dos Ultras anteriores e fusões entre personagens clássicos, o grande destaque certamente vai para essa relação entre pai-e-filho do personagem principal com o poderoso Belial, algo que possivelmente vai amaldiçoar e assombrar o Geed durante a série inteira. Impossível não lembrar do recente exemplo que tivemos em Orb, na forma Thunder Breaster (algo que poderia até ter sido explorado melhor, na minha opinião). Só espero que haja algum ineditismo aí e que não fique apenas nesse conflito de personalidades. O fato de ser filho do Belial pode dar muito pano pra manga e até carregar alguns elementos de Star Wars (relação entre Luke e Darth Vader), além de colocar o Zero novamente em evidência, uma vez que a rivalidade entre Zero e Belial é uma das mais emblemáticas do universo Ultra (juntamente com a recente rixa entre Orb e Juggler).
Sobre as escolhas dos nomes, só tenho a comemorar: tanto o ator Tatsuomi Hamada (tão jovem e tão veterano no Tokusatsu ao mesmo tempo); o Otsuichi (surpreendente escolha que nos dá todos motivos para crer em muitas inovações positivas) e; claro, o Koichi Sakamto, que despensa qualquer análise.
Confesso que minha primeira reação ao nome "Geed" foi de estranhamento. Principalmente pela pronúncia (os japoneses falariam "Djído"?). Talvez só acompanhando a série e acostumando o ouvido pra assimilar.
Estou curioso pra saber quem vai ficar com a responsabilidade de assumir a trilha sonora da série, uma vez que Orb foi impecável nesse quesito (colocar Ichiro Mizukui e Voyager juntos é covardia!).
E, quanto aos fãs brasileiros, só posso consolá-los dizendo que estamos muito bem servidos com canais como Crunchyroll trazendo séries recentes como X e Orb pra cá quase que instantaneamente (com excelente qualidade e legendadas ainda). Concordo com o que o Nagado disse nos comentários acima: esse tipo de produção está restrito a um nicho muito específico e é impensável que, nos dias de hoje, se repita o que tivemos nos anos 1980 e 90 quando ocorreu aquele tsunami de super-heróis japoneses na TV aberta. Eram outros tempos que em nada se comparam com os dias de hoje.
O importante é que os fãs continuam existindo e prestigiando em grande número esse tipo de série (vide os números divulgados em visualizações oficiais ou até em downloads piratas).
Acho que isso já basta para que continuemos acompanhando e nos divertindo com essas produções. E o melhor: ainda temos espaços como esse aqui pra debatermos, expormos opiniões, tirarmos dúvidas e confabularmos com outros fãs. Viva a pluralidade da internet! =D

Alexandre Nagado disse...

Fala, Bruno!

Estou curioso também pra saber quem vai fazer a música do Geed.

Toshihiko Takamizawa (The Alfee) está sempre por perto e ele compose muita coisa nos últimos anos. "Orb no inori", "Eiyuu no uta", "Final Wars", "Ultra Steel"... Tem o Voyager dentro da Tsuburaya e a Katokutai chegando na área. Ou pode ser alguém que nunca lidou com Ultras ou tokusatsu. A Tsuburaya sempre conseguiu atrair nomes de peso, como Misia, Kiyoshi Hikawa, V6, o próprio The Alfee... As chances de vir coisa boa são sempre grandes.

Em breve, saberemos e comentaremos por aqui.

Valeu!
Abraços!