quarta-feira, 22 de junho de 2011

Sinfonia estelar - A trilha sonora do Yamato

Yamato - Clássico também
das trilha sonoras
A saga espacial Uchuu Senkan Yamato (ou "Encouraçado Espacial Yamato"), conhecida no Brasil como Patrulha Estelar, é a obra mais famosa do autor de mangás e diretor Leiji Matsumoto e do falecido produtor Yoshinobu Nishizaki. Drama, romance, cenários deslumbrantes, design criativo, ação e personagens carismáticos em uma longa saga interplanetária. E grande foi a contribuição do compositor de trilhas sonoras Hiroshi Miyagawa, que também produziu canções famosas da dupla pop The Peanuts. Tendo trabalhado em todas as séries e longa-metragens do Yamato, Miyagawa criou grandes obras musicais que valorizaram ainda mais esse marco da animação japonesa. 

O Yamato promoveu, na década de 1970, o "anime boom", o primeiro grande fenômeno de popularidade em torno de um animê e atraiu a atenção de universitários e do público feminino. Depois de recepção morna na TV, foi no cinema que o Yamato encontrou seu caminho. É justo dizer que Miyagawa teve peso nesse sucesso, pois no cinema, grandes tomadas de paisagens espaciais com suas músicas ao fundo capturaram a alma do público e tornaram as aventuras da Patrulha Estelar mais dramáticas, humanas e envolventes.

Hiroshi Miyagawa: Impossível pensar
no Yamato sem o seu trabalho.
Vista como uma bela obra de música erudita, a trilha do Yamato é referência na carreira de Hiroshi Miyagawa, um veterano maestro que não apenas compôs as faixas de BGM (background music ou “música de fundo”), mas também a maior parte das canções da série, dando unidade à obra. Seguindo a mesma essência do BGM, as melodias compostas ou arranjadas por ele captaram todo o espírito sentimental da obra de Matsumoto.

Além do tema de abertura cantado por Isao Sasaki ter se tornado uma das favoritas dos fãs de animês até hoje, a trilha instrumental também teve reconhecimento e logo foram sendo lançadas versões variadas, incluindo sinfonias e concertos para piano, além de versões eletrônicas e roqueiras.

Miyagawa faleceu em 2006, aos 75 anos, por problemas cardíacos, deixando uma obra realmente eterna, que sobrevive independente do animê para a qual foi criada.

************************** 
VÍDEOS ESPECIAIS
Aqui, dois momentos antológicos do trabalho de Miyagawa com o Yamato:

Primeiro, um medley da saga Yamato, com a Tokyo City Philharmonic, regida pelo próprio Miyagawa para um especial de TV. Depois da rápida performance, ele é homenageado pelos apresentadores e entra em cena seu filho Akira Miyagawa, que é um renomado pianista.



Agora, a fantástica cantora Kazuko Kawashima (da trilha original de Saint Seiya) e um dos mais belos e poéticos temas incidentais já compostos para uma trilha sonora. Sem exagero. 



5 comentários:

DIO disse...

A quanto tempo, né?

Bom o artigo, vou indica-lo!

E, sabia que o filme de 2010 da Yamato já vazou na internet?
O lançamento do DVD no Japão foi em 24/06 e já no dia seguinte já estava disponível para baixar.
O DVD também será lançado em breve na Espanha, França, Russia e outros países.
Sem perspectiva de lançamento no Brasil ou Estados Unidos.

Ah!
E como vc cita sobre a trilha sonora no artigo, comento que no filme ela esteve bastante presente.
Bem, sobre o filme gostei da sensação de ouvir a trilha, algumas poucas cenas de ação e alguns efeitos especiais. No mais, é fraquinho e, para quem não é fã da série, é "bastante" fraquinho, rsrs.
O filme da uma enfase excessiva ao Takuya Kimura, que aparece em 90% das cenas.
E, vc foi totalmente preciso no artigo de 23/09/2010, antes do lançamento do filme no Japão:
"...o Yamato não é uma ficção científica. É uma obra de fantasia baseada na emoção e em uma visão romântica do heroísmo. Então, deve-se esperar emoções intensas, romance e mortes entre os mocinhos..."

Então, só tenho que parabeniza-lo pelos bons artigos e conhecimento da cultura japonesa.

Abraço
DIO

Alexandre Nagado disse...

Eu ainda tenho esperança de que o Yamato saia em DVD. Ouvi a trilha do filme e reconheci as partes reaproveitadas. Quando for assistir, verei o filme sem grandes expectativas, mas parece que o resultado não ficou ruim. Quando assistir, comentarei aqui.

Abraços!

Gregório Moreira disse...

Gênio esse Hiroshi Miyagawa.
Belo texto.
Abs

Anônimo disse...

A voz da Kazuko Kawashima (finalmente descobri o nome dela) me arrepiava em Saint Seiya. E essa musica do Yamato é linda demais.

Paty

JJ Marreiro disse...

Hoje, em tempos de internet e "baixação", a relação das pessoas com a tv se transformou bastante... Qdo a pessoa perde um capítulo de novela isso é remediado no dia seguinte pelo site da própria emissora com o resumo ou a íntegra do capítulo:)

Antigamente pra ver seu animê favorito era preciso marcar hora no relógio, livrar-se de todas as tarefas, ficar desocupado naquele horário e torcer para a emissora não mudar o horário do animê.

No caso da Manchete a gente ainda tinha que torcer para que não morresse uma celebridade ou para q não acontecesse nada de importante em Brasília...porque aí a programação ia pro beleléu e a televisão travava naquele assunto o dia todo.

Em alguns casos as emissoras locais simplesmente enfiavam comerciais em cima do início ou do fim dos episódios..quando não enfiavam uma programação local, o que detonava as seções desenho ou os programas dessa linha.

Patrulha Estelar com seus episódios cheios de aventura e emoção bem que mereciam produtos oficiais aqui no Brasil. Enquanto isso não acontece é difícil achar um tom politicamente correto para essa relação de fã, ídolos, mídias tradicionais e opções tecnológicas alternativas :)