quinta-feira, 24 de março de 2011

Let´s go Kamen Riders - O que esperar do filme



Em 2011, a franquia Kamen Rider completa 40 anos. Criação mais famosa de Shotaro Ishinomori, o ciborgue original deu origem a uma extensa linhagem que rivaliza com a dos Ultras. Em seu país, é até mais popular que os gigantes espaciais, especialmente entre o público jovem.

O filme promete reunir todos os Riders que encabeçaram séries ou filmes, incluindo coadjuvantes de peso, como o clássico Riderman e o recente Kamen Rider Birth, que apareceu em Kamen Rider OOO (leia “Oozu”). O tal OOO, inclusive, é o astro do filme, dividindo também a atenção com um novo Kamen Rider Den-O, talvez o mais popular da geração dos chamados “Heisei Riders”, os heróis que não foram criados por Shotaro Ishinomori, falecido em 1998, em plena era Heisei.

Vale lembrar que a era Heisei, seguindo a tradição japonesa de nomear eras de acordo com o reinado de um imperador, começou em 1989. Mesmo tendo sido criados entre 1992 e 94, os Riders Shin, ZO (leia “Zettoh”) e J não são considerados Heisei, que para a Toei conta somente de Kuuga para a frente, exatamente por ele ter marcado o renascimento da franquia, após a morte do autor.

A história envolve viagens no tempo e mostra como o mundo teria ficado se os dois primeiros Riders tivessem sido derrotados, dando início ao sangrento domínio da Organização Shocker. Vilões marcantes de várias épocas irão aparecer, incluindo o Sacerdote Danker (Darom, no original, inimigo de Kamen Rider Black), General Jark (inimigo de RX) e Shadow Moon (Black e RX). Para salvar o mundo, OOO e um novo Den-O acabam enfrentando seus antecessores, transformados em guerreiros do mal. A batalha para restaurar o fluxo do tempo e vencer Shocker acaba envolvendo muitos outros Kamen Riders.

O que se espera é um grande “fan service”, o tipo de produção que se esforça mais em mostrar personagens e situações que agradem os fãs hardcore, sem se importar muito com a história. O foco é nos Riders modernos e somente três veteranos deverão participar: Hiroshi Fujioka (Kamen Rider 1), Takeshi Sasaki (Kamen Rider 2), Hiroshi Miyauchi (Kamen Rider V3), porém, somente dublando os heróis. Diferente da Tsuburaya e seus Ultras, a Toei não costuma utilizar atores mais velhos para reviver seus papéis.

Como o filme também comemora os 60 anos da Toei Company, os produtores deram um jeito de incluir na trama participações de Kikaider, Kikaider 01, Inazuman e Zubat, heróis da década de 1970, todos também criados por Ishinomori. Fora isso, a produção terá ligação com o filme comemorativo da franquia Super Sentai, que será lançado depois. Por conta disso, alguns heróis coloridos deverão aparecer também.

Kamen Rider Girls: Arrasando corações e
destruindo ouvidos.
Uma participação aguardada é a de Isao Sasaki. Ele atuou em Jaspion como o Prof. Nambara, mas tem seu nome escrito no Japão como cantor de anime songs, como os temas de Yamato (Patrulha Estelar), Metalder e muitos outros. Porém, vendo que tem um cantor tão bom no elenco, fica difícil engolir o grupo Kamen Rider Girls, armação pseudo-pop da Toei com a gravadora Avex Trax.

Formado por modelos-dançarinas que cantam mal, o grupo tem duas músicas na trilha: a original “Koi no Rider Kick” e a regravação de “Let´s Go! Rider Kick”, o tema original do primeiro Rider. Como já comentei no Twitter, é tão ruim que chega a ser ofensivo. Além disso, uma ausência sentida no elenco é a do ator Tetsuo Kurata (Kamen Rider Black/ RX). Ele participou de dois episódios de Kamen Rider Decade e fez uma participação rápida no lonca All Riders x Dai Shocker (2009). Foi o único ator dos Riders clássicos a ser aproveitado recentemente, mas infelizmente ficou de fora da nova produção.

Com o longo título de OOO – Den-O – All Riders: Let´s Go Kamen Riders, o filme tem direção de Osamu Kaneda e vai estrear nos cinemas japoneses no dia primeiro de abril.  

Site oficial: all-rider.jp 

3 comentários:

Bruno Seidel disse...

Acredito que o fato da Toei estar insistindo há cinco anos em manter o Den-O na ativa como protagonista seja o fato dele ter se popularizado bastante entre as crianças e ter obtido um grande êxito na venda de produtos. Em compensação, no quesito audiência, a série ficou atrás de outras da era Heisei (como Agito e Decade). Prova de que não é necessariamente a audiência que determina o sucesso de uma série e sim o retorno ($$$) que ela dá. Outro ponto forte da série parece ser o Momotaros, que sempre rouba a cena quando o Den-O dá as caras. Ainda assim, é um tanto estranho e pitoresco um Rider que estreou em 2007 continuar ativo tanto tempo no papel de protagonista.

Alexandre Nagado disse...

Bruno, esse lance do retorno financeiro de produtos é realmente mais importante do que a audiência em si. Me lembro que, na época do estouro de Jaspion e Changeman no Brasil, o dono da Everest Video havia comentado comigo que, apesar da audiência de repercussão do Jaspion ser maior, em termos de vendas de brinquedo, Changeman era mais lucrativo. Talvez por ser uma equipe.

E o Den-O realmente virou uma franquia interna independente. Ainda preciso dar uma chance pra ver se pelo menos eu entendo o apelo do personagem, mas parece que a chave está nos coadjuvantes, como o citado Momotaros.

Abraços.

Diego Guzzi Felix da Silva disse...

Talvez seja por causa do protagonista, que é a pessoa mais azarada do mundo e isto reflete na mente das crianças e dos jovens japoneses de hoje, já que não saíram da crise de 91 que so piorou com a crise de 2008 e o tsunami.