quarta-feira, 30 de março de 2011

JAM Project Symphonic Album: Victoria Cross

Anisongs em versão luxuosa


Em fevereiro deste ano, a banda japonesa JAM Project, especializada em anime songs, subiu ao palco do luxuoso Toyo Metropolitan Art para uma apresentação histórica.


O resultado foi o álbum Victoria Cross, a ser lançado em 6 de abril no Japão e com 11 faixas que mostram todo o poder e a técnica das vozes de cinco grandes cantores.

A regência ficou com Takayuki Hattori, que trabalhou nas trilhas sonoras de sucessos como Slayers, Captain Harlock – Endless Odyssey, Godzilla Millenium, Godzilla vs Space Godzilla e o drama Nodame Cantabile, baseado em um mangá que deu maior projeção à música erudita em seu país. Outro ponto de destaque em sua carreira foi o álbum Final Fantasy Symphonic Suite, tributo para o famoso game da Square Enix. Seu toque refinado também foi usado em trabalhos sinfônicos dos astros pop Misia e Aska, fazendo dele uma grande escolha para essa incursão do JAM Project pela música erudita.

A canção mostrada aqui é a GONG, que foi tema de um jogo para PlayStation 2 chamado Super Robot Wars Alpha 3 (de 2005). A música marcou a estreia do brasileiro Ricardo Cruz como membro honorário, iniciando uma participação em gravações e shows. Ainda residindo no Brasil (onde produz a revista MixMag), Ricardo não participou desse show.

Com sua performance em Victoria Cross, o JAM Project mostra um lado sofisticado de seu trabalho, sem perder o vigor e a energia de sempre. 

JAM Project (Da esq. p/ dir.): Yoshiki Fukuyama, Hiroshi Kitadani,
Hironobu Kageyama, Masami Okui e Masaaki Endoh.
LINKS:
JAM Project (site oficial)

Takayuki Hattori (site oficial)

Compre o CD original na CD Japan 

domingo, 27 de março de 2011

CULTURA POP JAPONESA - HISTÓRIAS E CURIOSIDADES (Novo livro digital)


PRESS RELEASE:

Cultura Pop Japonesa – Histórias e curiosidades
é um livro virtual independente voltado ao universo do entretenimento japonês.

Escrito e organizado por Alexandre Nagado em coautoria com Michel Matsuda e Rodrigo de Goes, o livro apresenta definições, nomes, datas e fatos marcantes envolvendo mangá, animê, tokusatsu e diversos assuntos relacionados, como J-music, moda, games e comportamento.

Mais de 200 curiosidades, definições e fatos marcantes na história da cultura pop japonesa e de vários de seus artistas, em tópicos de fácil leitura para situar o iniciante e surpreender fãs e curiosos.

Saiba o que é mangá, animê, otaku, tokusatsu, qual o motivo dos olhos serem tão grandes nos desenhos japoneses e fique sabendo fatos interessantes sobre Naruto, Cavaleiros do Zodíaco, One Piece, Kamen Rider, Doraemon, Ultraman, Evangelion, Super Sentai, Street Fighter, Patrulha Estelar, Pokémon, Jiraiya, Sailor Moon, Cowboy Bebop, Jaspion, Dragon Ball e outros. Vários artistas também têm curiosidades comentadas, como Akira Toriyama, CLAMP, Ichirou Mizuki, Go Nagai, Shotaro Ishinomori e diversos outros nomes representativos da cultura pop japonesa.

O e-Book é vendido somente pela internet, na loja virtual do Blog Sushi POP ou em afiliados da plataforma Hotmart.



PREVIEW
Você pode baixar uma amostra grátis no link abaixo (via Sendspace.com):

www.sendspace.com/file/8gr6vk

Cultura Pop Japonesa: Histórias e Curiosidades
Autores: Alexandre Nagado, Michel Matsuda e Rodrigo de Goes
Prefácio: Marcelo Cassaro
Número de páginas: 203
Formato: PDF (14,8 x 21cm)
Preço: R$ 10,90

Compre aqui:
Cultura Pop Japonesa - Histórias e Curiosidades 

(Compra segura. Página externa da plataforma Hotmart, com pagamento via sistema MoiP.)



*************************
SEJA TAMBÉM UM REVENDEDOR
A loja virtual do Blog Sushi POP foi montada mediante afiliação ao sistema Hormart de venda on-line de produtos virtuais. Qualquer dono de site ou blog também pode se afiliar para revender e há opções bem interessantes. Confira:

www.hotmart.com.br

*************************
BASTIDORES
A ideia de um livro de curiosidades sobre cultura pop japonesa já um pouco antiga para mim. A produção em si foi iniciada em 2009, após ter convidado dois parceiros para o trabalho. A proposta foi sendo aperfeiçoada ao longo do tempo, enquanto íamos juntando material. Inicialmente, seria impresso pela Panda Books, do Marcelo Duarte. Várias alterações foram pedidas e atendidas e o projeto foi ganhando um teor mais profissional, com o livro sendo reformulado duas vezes.

Em certo momento, decidi que não poderia mais ficar mexendo e deixei o projeto meio engavetado. Quando pude retomar, soube que já não havia tempo para que o livro entrasse no cronograma de lançamentos de 2011, somente para 2012. Depois de conversar com o Marcelo (a quem agradeço pelas sugestões), resolvi lançar de forma independente o trabalho. Foi então que tive uma nova ideia, a de lançar como e-Book, um livro virtual em PDF, para ser lido em computadores ou em e-readers. É uma aposta pessoal e espero que o trabalho repercuta bem. 

quinta-feira, 24 de março de 2011

Let´s go Kamen Riders - O que esperar do filme



Em 2011, a franquia Kamen Rider completa 40 anos. Criação mais famosa de Shotaro Ishinomori, o ciborgue original deu origem a uma extensa linhagem que rivaliza com a dos Ultras. Em seu país, é até mais popular que os gigantes espaciais, especialmente entre o público jovem.

O filme promete reunir todos os Riders que encabeçaram séries ou filmes, incluindo coadjuvantes de peso, como o clássico Riderman e o recente Kamen Rider Birth, que apareceu em Kamen Rider OOO (leia “Oozu”). O tal OOO, inclusive, é o astro do filme, dividindo também a atenção com um novo Kamen Rider Den-O, talvez o mais popular da geração dos chamados “Heisei Riders”, os heróis que não foram criados por Shotaro Ishinomori, falecido em 1998, em plena era Heisei.

Vale lembrar que a era Heisei, seguindo a tradição japonesa de nomear eras de acordo com o reinado de um imperador, começou em 1989. Mesmo tendo sido criados entre 1992 e 94, os Riders Shin, ZO (leia “Zettoh”) e J não são considerados Heisei, que para a Toei conta somente de Kuuga para a frente, exatamente por ele ter marcado o renascimento da franquia, após a morte do autor.

A história envolve viagens no tempo e mostra como o mundo teria ficado se os dois primeiros Riders tivessem sido derrotados, dando início ao sangrento domínio da Organização Shocker. Vilões marcantes de várias épocas irão aparecer, incluindo o Sacerdote Danker (Darom, no original, inimigo de Kamen Rider Black), General Jark (inimigo de RX) e Shadow Moon (Black e RX). Para salvar o mundo, OOO e um novo Den-O acabam enfrentando seus antecessores, transformados em guerreiros do mal. A batalha para restaurar o fluxo do tempo e vencer Shocker acaba envolvendo muitos outros Kamen Riders.

O que se espera é um grande “fan service”, o tipo de produção que se esforça mais em mostrar personagens e situações que agradem os fãs hardcore, sem se importar muito com a história. O foco é nos Riders modernos e somente três veteranos deverão participar: Hiroshi Fujioka (Kamen Rider 1), Takeshi Sasaki (Kamen Rider 2), Hiroshi Miyauchi (Kamen Rider V3), porém, somente dublando os heróis. Diferente da Tsuburaya e seus Ultras, a Toei não costuma utilizar atores mais velhos para reviver seus papéis.

Como o filme também comemora os 60 anos da Toei Company, os produtores deram um jeito de incluir na trama participações de Kikaider, Kikaider 01, Inazuman e Zubat, heróis da década de 1970, todos também criados por Ishinomori. Fora isso, a produção terá ligação com o filme comemorativo da franquia Super Sentai, que será lançado depois. Por conta disso, alguns heróis coloridos deverão aparecer também.

Kamen Rider Girls: Arrasando corações e
destruindo ouvidos.
Uma participação aguardada é a de Isao Sasaki. Ele atuou em Jaspion como o Prof. Nambara, mas tem seu nome escrito no Japão como cantor de anime songs, como os temas de Yamato (Patrulha Estelar), Metalder e muitos outros. Porém, vendo que tem um cantor tão bom no elenco, fica difícil engolir o grupo Kamen Rider Girls, armação pseudo-pop da Toei com a gravadora Avex Trax.

Formado por modelos-dançarinas que cantam mal, o grupo tem duas músicas na trilha: a original “Koi no Rider Kick” e a regravação de “Let´s Go! Rider Kick”, o tema original do primeiro Rider. Como já comentei no Twitter, é tão ruim que chega a ser ofensivo. Além disso, uma ausência sentida no elenco é a do ator Tetsuo Kurata (Kamen Rider Black/ RX). Ele participou de dois episódios de Kamen Rider Decade e fez uma participação rápida no lonca All Riders x Dai Shocker (2009). Foi o único ator dos Riders clássicos a ser aproveitado recentemente, mas infelizmente ficou de fora da nova produção.

Com o longo título de OOO – Den-O – All Riders: Let´s Go Kamen Riders, o filme tem direção de Osamu Kaneda e vai estrear nos cinemas japoneses no dia primeiro de abril.  

Site oficial: all-rider.jp 

quarta-feira, 23 de março de 2011

JAPÃO: ESPERANÇA E ARTE (Parte II)

O mundo continua acompanhando bastante preocupado as notícias sobre o Japão. O desastre nuclear que se seguiu ao terremoto e tsunami está em andamento ainda não foi totalmente dimensionado. Ainda estão contando os mortos de 11 de março (que já passam dos 24 mil), racionando energia, enfrentando problemas sérios de abastecimento em algumas cidades e milhares de sobreviventes estão em abrigos improvisados. E a contaminação nuclear tem aumentado, criando o que pode ser mais um pesadelo nuclear para o povo japonês, espalhando morte e doenças. Só resta repassar informações úteis, bem como fazer colaborações em dinheiro e divulgar as formas de ajuda real. E, para os que têm alguma crença, orar muito.


Por causa do violento trauma dos desastres, obras com cenas de tsunamis e terremotos estão sendo editadas, suspensas ou recolhidas. É até compreensível, dado o momento.


Lá no Japão, não se viu charges ou ilustrações comentando a tragédia de forma bem-humorada ou neutra. A situação é terrível e os artistas estão mobilizados para arrecadar ajuda e encorajar as pessoas. Além dos esforços divulgados na primeira parte desta postagem, outras foram anunciadas. 


Por iniciativa do ator Teruaki Ogawa (Ninja Red em Kakuranger), foi criada uma conta no Twitter para que os heróis de várias gerações postassem mensagens, a @tokusatsuheroes. O detalhe é que são os próprios atores  que escrevem em nome dos personagens. O site Over-ti.me tem feito a tradução das postagens para o inglês. Uma das postagens, do ator Shunji Igarashi, está bem de acordo com o espírito do momento e com o personagem que interpretou. Diz o seguinte:


"Pessoas que sorriem se enchem de poder. Com esse poder você pode se erguer. Não esqueçam de seus sorrisos!" - Mirai Hibino/ Ultraman Möebius


Outro movimento de uma classe artística veio da equipe de autoras de mangá da revista Margareth, que anunciaram uma publicação especial para arrecadar fundos para os sobreviventes. Ainda sobre mangá, um grupo de mais de 50 autores irá participar de ações promocionais no evento Digital Manga Matsuri, que ocorrerá na cidade de Utsunomiya, no dia 3 de abril. A lista inclui até venerados mestres como Rumiko Takahashi (Inu-Yasha, Ranma 1/2), Tetsuya Chiba (Ashita no Joe), Monkey Punch (Lupin III) e muitos outros.


Na internet, Akira Toriyama (de Dragon Ball e Dr. Slump) criou uma vinheta para enviar mensagem às vítimas. Graças ao sistema de publicidade do YouTube, cada vez que o vídeo é assistido, aumenta a arrecadação que será integralmente repassada às vítimas. Veja o vídeo (que só tem 35 segundos) clicando aqui.


O momento é grave, sério e está mobilizando toda uma nação. A catástrofe e os problemas são localizados, apesar da imprensa fazer parecer que o país todo foi devastado, mas todos foram, de certa forma, atingidos. E é nesses momentos que a força, união, educação e disciplina do povo japonês fazem a diferença. 


É também de Akira Toriyama uma ilustração (vista logo acima), aparentemente inocente, que resume bem o espírito japonês. Nela, Goku e Arale (seus dois personagens mais famosos) gritam em uníssono:
"Ganbarê!!". - "Esforcem-se!"



****************************************


COMO AJUDAR O JAPÃO: 
Para quem está no Brasil, a melhor forma de ajudar é através de depósito bancário. Três entidades tradicionais da colônia japonesa criaram contas no Banco do BrasilSantander Bradesco

Veja a relação completa de contas no site da Made in Japan aqui
As contas ficarão ativas até o final de abril, período considerado o mais crítico e carente de captação de recursos para necessidades mais imediatas. 



Mesmo que sua contribuição seja pequena, ela é importante. Colabore. 

domingo, 20 de março de 2011

ENTREVISTA PARA O JBOX E ATIVIDADES ATUAIS

O portal especializado em animê e cultura pop japonesa JBox (uma das grandes referências sobre o assunto no Brasil) colocou on-line uma entrevista comigo. Na verdade, é uma entrevista antiga, mas a convite do pessoal do site, novas perguntas foram acrescentadas e pude reformular algumas respostas. O resultado é uma entrevista atualizada, praticamente nova, que pode ser conferida através do link abaixo:

Entrevista para o site JBox.com.br
(Obrigado ao pessoal do site pela consideração e apoio de sempre.)

* Projeto: Na entrevista, menciono um projeto que estava pra sair. Trata-se de uma publicação independente sobre cultura pop japonesa, escrita em parceria com mais dois amigos. Por causa da tragédia no Japão, ficou resolvido que o lançamento será adiado. Talvez ainda saia no final do mês, mas o mais provável é que fique para abril. Informarei aqui no blog e em alguns sites sobre HQ ou cultura pop japonesa. 

* Aulas: Uma vez por semana, tenho lecionado desenho na NIPO - Assoc. Cultural e Esportiva de Ilha Solteira. Fora isso, nesta semana começo uma oficina de duração limitada para uma turma de crianças da escola particular Euclides da Cunha. O foco será mais no uso dos quadrinhos para estimular o desenho e a linguagem escrita dos alunos, bem como o entendimento do que é narrativa. 


* Quadrinhos: Prossigo com os trabalhos de HQ institucional e, quando possível, farei mais algumas tirinhas da Kaori. Obrigado aos que têm comentado comigo sobre as tiras até agora, mesmo tendo saído tão poucas. 


* Blog: Por absoluta falta de tempo, não consigo atualizar este blog como gostaria (pra variar), mas há algumas postagens sendo planejadas. Agradeço a paciência de todos que acompanham. Até mais. 


******************************************
LOJA VIRTUAL SUSHI POP/ HOTMART:

Em parceria com a plataforma Hotmart, este blog possui uma loja virtual de softwares, e-books e templates. Confira aqui os produtos disponíveis. 

segunda-feira, 14 de março de 2011

JAPÃO: ESPERANÇA E ARTE

Ainda sob o peso das consequências do terremoto, do tsunami e do acidente nuclear e com a possibilidade de um novo terremoto a qualquer momento, artistas japoneses já começam a se manifestar.

A desenhista Noizi Ito, do aclamado mangá Suzumiya Haruhi, produziu uma ilustração que mostra a personagem orando pelo Japão. (Imagem ao lado)

Muitos outros autores registraram mensagens de apoio e otimismo com seus traços, incluindo gente como
Akira Toriyama (de Dragon Ball). (Veja o link para uma galeria de desenhos no final do texto.)

O cantor pop Gackt está organizando um show com várias celebridades, entre músicos, atores e esportistas, a fim de arrecadar fundos. Ele é o representante do movimento Show Your Heart, que está mobilizado para as campanhas de auxílio às vítimas. 

A compositora Yoko Kanno, da trilha sonora de Cowboy Bebop, compôs uma suave canção para confortar as pessoas. Ela e seus pais nasceram em Miyagi, uma das cidades mais devastadas. Inicialmente, a canção foi postada somente com áudio. Posteriormente, surgiu no YouTube um clipe (não sei se oficial ou não) da música ilustrado com desenhos de Takehiko Inoue (de Vagabond). Os sketches da série Smile já haviam sido iniciados no ano passado, mas com a notícia do terremoto, foram retomados pelo autor. Mostram gente simples sorrindo, uma forma de encorajar as pessoas. 

Veja agora o clipe de "Kimi de ite, buji de ite" ("Seja você, fique bem") , de Yoko Kanno.



>>> Clique aqui para ver a letra e tradução da música (Dica da Petra Leão, via Twitter)



>>> Veja aqui a galeria de autores de mangá e ilustradores japoneses com desenhos para apoiar as vítimas do terremoto e tsunami - (Atualizado em 15/03 às 18h50)




**************************************
COMO AJUDAR O JAPÃO: (Atualizado em 14/03 às 22h30)

Para quem está no Brasil, a melhor forma de ajudar é através de depósito bancário. Três entidades tradicionais da colônia japonesa criaram contas no Banco do Brasil, Santander e Bradesco


Veja a relação completa de contas no site da Made in Japan aqui.
Mesmo que sua contribuição seja pequena, ela é importante. Colabore. 

sábado, 12 de março de 2011

SOBRE A TRAGÉDIA NO JAPÃO

Enquanto digito estas linhas, o mundo ainda olha com apreensão para o Japão. Depois do devastador terremoto seguido de tsunami de 11 de março, o vazamento nuclear da usina de Fukushima preocupa e ainda não se sabe quais consequências e quais as reais dimensões da tragédia. As notícias me atingiram pesadamente. Primeiro, a preocupação com parentes e amigos lá, que felizmente mandaram notícias tranquilizadoras. Depois, pela dimensão do terrível acontecimento. E há, também, outro fator. O Japão é a terra de meus avós e de lá surgiram quadrinhos, desenhos animados e seriados que me inspiraram e nos quais me tornei de certa forma um especialista. Eu devo ao Japão meu impulso em me profissionalizar como artista e lá nasceram e vivem alguns dos artistas que mais admiro. Visitei o país em 2008 como convidado do Ministério de Assuntos Estrangeiros do Japão e tenho enorme carinho pelo que o país representa. Com tudo isso acontecendo, claro que fiquei acompanhando tudo com atenção e pesar.

Nesse cenário desolador e com uma imprensa local que demora a divulgar o que acontece, o Twitter é uma preciosa fonte de informações e, como uma rede realmente global, pessoas daqui e do Japão buscam e dividem informações, ajudando-se e se solidarizando. 

Infelizmente, enquanto muitos se preocupam, muitos brasileiros destilam piadinhas sobre o Japão. Riem das situações trágicas, achando tudo divertido, o que parece impensável para alguém com algum coração. Seguros em seus mundinhos alimentados pelo ego e na segurança do lar, riem da desgraça alheia achando que estão fazendo humor pra alegrar as pessoas e se expressar de forma inteligente.

E há também os que pensam que tragédias fazem bem, sob uma perspectiva histórica. Um ex-amigo certa vez comentou, anos atrás, que o Japão precisava “tomar outra bomba atômica na cabeça pra recuparar os brios”. Ele deve estar feliz agora. Certamente, quem solta uma frase dessas não gostaria de estar entre os mortos de uma tragédia “que vem para o bem” ou de estar procurando por entes queridos em meio a uma pilha de corpos. Uma coisa é tirar lições de uma desgraça, outra é achar que ela é ou foi benéfica. 

Uma vez, num caso dramático ocorrido aqui mesmo no Brasil (ainda que de menores proporções), critiquei abertamente a proliferação de piadas no Twitter em cima da desgraça alheia. Imediatamente, um certo quadrinhista me acusou de defender a censura. Daí, começaram a pipocar críticas a mim. Um disse que “sempre tem um idiota querendo cagar regras na internet”. Um outro me chamou de “revolucionário de sofá”, dizendo que eu seria um que não faz porra nenhuma, só fica agitando sem tirar a bunda do lugar.

Aquilo mexeu com meus brios. Por que eu sempre fui engajado em causas nas quais acredito, apesar de não alardear isso. Mas vou comentar agora para quebrar aquela ideia que muitos têm de que a internet é feita de gente que não faz nada no mundo real.

Já ajudei - botando o pé na rua mesmo - campanhas de arrecadação para doentes de câncer, doentes do fogo selvagem (uma doença de pele rara e dolorosa), já visitei creches carentes, ia com amigos de igreja levar um pouco de atenção (e não pregações) a um asilo de idosos abandonados e atualmente ajudo voluntariamente uma ONG chamada Instituto Gabi, voltada ao apoio para crianças com deficiências, além de uma paróquia. Durante um tempo, fui muitas vezes ao Instituto da Criança do Hospital das Clínicas para fazer desenhos para as crianças internadas, algumas em situação trágica. Um quadrinhista bastante famoso ia lá com mais regularidade e nunca o vi expor isso. Por isso, quando leio certos comentários no Twitter, fico enojado com gente que se incomoda com bons sentimentos e prefere rir da desgraça alheia. 

Ainda hoje, li um comentário irônico no Twitter que dizia que “rezar é a melhor maneira de não fazer nada. Se quer ajudar o Japão, vai pra lá, oras”. Ir para lá não é simples e acessível, ainda mais no atual cenário. Repassar informações úteis – como os contatos da embaixada e da Cruz Vermelha – é crucial para muitos. E nem todos podem ir pra lá, mas muitos podem repassar informações pertinentes e doar dinheiro para ações concretas. Mas às vezes, externar seu pesar e rezar acaba sendo tão criticado como piadas de mau gosto. Há gente que me causa repulsa, e falo de gente com cultura, alguns talentosos colegas de profissão inclusive. A falta de sensibilidade pelo sofrimento alheio é algo que me incomoda muito. 

REPERCUSSÕES NO MUNDO POP

Alguns sites especializados em cultura pop japonesa informam sobre o paradeiro e estado de celebridades e pessoas ligadas ao mundo do entretenimento. É inevitável que logo fiquemos sabendo de vítimas famosas, mas vários artistas já se manifestaram.

Entre os que estão (até o momento) em segurança, estão os quadrinhistas Ken Akamatsu, Kia Asamiya, Masami Kurumada, Tite Kubo, os músicos Aya Matsuura, L´arc~en~Ciel, V6, Yoko Kanno, Hikaru Utada, JAM Project, Tetsuya Komuro e outros.  

Há listagens bem extensas aqui (mangá/ animê) e aqui (música).


Assim que a situação lá começar a se normalizar, voltarei com a programação normal do blog. Por enquanto, continuarei acompanhando as notícias e postando o que julgar pertinente no Twitter. 


AVISO:


Brasileiros que querem ajudar, leiam informações úteis aqui:

http://ow.ly/4dFyv 

quinta-feira, 10 de março de 2011

VAPT E VUPT, DE MARCIO BARALDI

O cartunista Marcio Baraldi é um dos mais produtivos e premiados do país em sua área. Oriundo da combativa imprensa sindical (onde atua até hoje), concilia trabalhos para clientes diversos e ainda arranja tempo para ser editor do Bigorna.net, referência sobre quadrinhos e quadrinhistas nacionais.

De tempos em tempos, lança com caprichadas coletâneas de seus trabalhos, brindando seus leitores com peças de colecionador trabalhadas com muito entusiasmo. O mais recente desses álbuns é Vapt e Vupt, uma dupla de passarinhos com muito a ensinar sobre a incoerente e muitas vezes patética condição humana.

Os personagens, veiculados na revista Espiritismo e Ciência (Ed. Mythos) e com passagens em outros títulos de filosofia espírita, se prestam à divulgação da doutrina kardecista, mas também falam sobre ecologia, comportamento e problemas sociais, sempre com o traço alucinado de Baraldi. Com suas inocentes inquietações e questionamentos sobre as loucuras e excessos da humanidade, Vapt e Vupt levam a um riso muitas vezes seguido de uma reflexão incômoda. É um Baraldi ligeiramente diferente daquela imagem de molecão que caracteriza a maioria de seus trabalhos mais conhecidos. 

Cada página traz ou uma charge ou historinha curta, sempre convidando a uma reflexão. Muitas páginas abordam a doutrina espírita, sendo de interesse maior para simpatizantes e servindo de apoio a educadores dessa religião. E tantas outras páginas têm um apelo mais universal, onde convivem tanto o Baraldi mais anárquico quanto o mais reflexivo, que usa de seu humor direto e sem rodeios para cutucar feridas sociais. Aliás, cutucar não, e sim dar uma porrada bem dada nas feridas, pra ser bem claro.

O álbum foi lançado no final de 2010, comemorando os 15 anos da série. Com Vapt e Vupt, Marcio Baraldi alcança um novo patamar em sua carreira, sem deixar de lado as características de seu trabalho, tantas vezes premiado e reverenciado. 



VAPT E VUPT
Formato: 21 x 28cm, com 50 páginas
Editora: HQM Editora / GRRRR!..

Site oficial:
****************************


UM DEPOIMENTO PESSOAL SOBRE O BARALDI

Marcio Baraldi, o cartunista mais
rock´n roll do Brasil.
Conheço Marcio Baraldi há vários anos, mas em geral a gente só se encontra trombando por aí em eventos (coisa que não faço há um bom tempo...). Até já fomos juntos a um programa de TV para sermos entrevistados, alguns anos atrás. Baraldi e eu temos em comum a profissão, a paixão pela HQ e pelo rock e um grande respeito mútuo. Profissionalmente, já estivemos mais de uma vez defendendo posições opostas. Por trabalhar com HQ institucional, muitas vezes já escrevi e desenhei cartilhas e gibis com a visão do empresário, do empregador. Enquanto, do outro lado, Baraldi era contratado para desenhar charges – sempre impiedosas e viscerais – atacando a visão patronal. Isso aconteceu ao menos duas ou três vezes, que eu me lembre, e é difícil encontrar "adversário" mais duro de enfrentar, mesmo que eu não estivesse defendendo a visão patronal, apenas comunicando normas e procedimentos de modo didático conforme solicitado. 

Obviamente, meu trabalho de HQ institucional nada tem a ver com posições políticas, somente com agenda profissional. E falando em posicionamento, em questões políticas nós divergimos razoavelmente, pois ele se posiciona muito mais à esquerda do que eu. Ambos somos espiritualistas, mas eu sou católico apostólico romano, do tipo que entende as profundas diferenças filosóficas e teológicas entre o que eu acredito e o que o Baraldi prega com seu trabalho em Vapt e Vupt. E ainda assim, nunca, em hipótese alguma, consigo pensar no Baraldi como alguém numa trincheira oposta, mas sim num exemplo a ser seguido. 

Valores éticos e morais, respeito ao pensamento democrático e muita paixão pelo trabalho mostram que a arte – mesmo quando aplicada profissionalmente - está mesmo acima das diferenças que poderiam nos afastar. E por isso, digo com orgulho e convicção que o Baraldi é meu colega de ofício, vocação e fé. 

sexta-feira, 4 de março de 2011

TRAILER DE LET´S GO KAMEN RIDERS



A menos de um mês da estreia, foi divulgado o primeiro trailer oficial do filme OOO - Den-O - All Riders: Let´s Go Kamen Riders. Mostrada primeiro no site oficial, a gravação já apareceu no YouTube com legendas (não-oficialmente) e está rapidamente se espalhando. 

No trailer, pode-se ouvir a música original do primeiro Kamen Rider, a
Let´s Go!!! Rider Kick em versão moderna pela girls band Kamen Rider Girls. Na série de 1971, a música era cantada pelo ator Hiroshi Fujioka, o primeiro Rider em pessoa. Ele estará no novo filme, mas apenas dublando o lendário personagem. 
Muitas notícias já apareceram sobre o filme e a mais polêmica foi sobre a aparição de
Kikaider e outros heróis clássicos do criador dos Riders originais, Shotaro Ishinomori. Veja mais aqui.

Em outra informação confirmada, mas ainda superficial, já se sabe que haverá ligação entre esse filme e o filme comemorativo da franquia Super Sentai, que vai estrear em maio. No ano em que a
Toei Company comemora 60 anos, os produtores resolveram brindar os fãs com muitos encontros de personagens, o que, obviamente, não implica em bons filmes ou boas histórias. Em outra oportunidade, escreverei sobre isso com mais detalhes. 


********************************



HIROSHI FUJIOKA E ICHIROU MIZUKI
E agora, uma pequena raridade: a música Let´s Go!! Rider Kick cantada ao vivo por Hiroshi Fujioka, seguido no palco por Ichirou Mizuki, talvez o mais importante cantor de animesongs do Japão. Foi uma divertida apresentação em um programa de TV cuja data ainda preciso confirmar. Fujioka fez carreira respeitável na TV e no cinema, mas cantar não é seu ponto forte. Fica o registro da performance, ao mesmo tempo divertida e histórica. 





Em breve, irei organizar as informações divulgadas sobre o filme em uma postagem maior, dedicada à produção, que estreará nos cinemas japoneses em primeiro de abril.

quarta-feira, 2 de março de 2011

Sawamu - O Demolidor: Muito além da nostalgia

Sawamu, lenda dos ringues e da cultura pop
Tadashi Sawamu é um arrogante lutador de caratê que um dia é desafiado a provar a força de sua técnica contra o boxe estilo tailandês (kick-boxe), que usa igualmente socos e chutes. O primeiro teste ele vence fácil, mas o grande desafio vem depois. Após uma humilhante derrota perante o campeão tailandês SomanSawamu resolve aprender aquele esporte que era, até então, pouco conhecido no Japão.